sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Saúde mental

Rovena Paranhos (*)  













Hoje, a Organização Mundial de Saúde define saúde como um estado de completo bem-estar físico, mental e social. Por si só, essa definição põe por terra algumas arcaicas discussões sobre a pertinência — ou seria impertinência para uns tantos? — de se falar, tratar, cuidar, praticar, promover a saúde mental. É fato, pois, inquestionável, indiscutível, inarredável que não existe saúde geral, se a saúde social, mental e física não estiver em equilíbrio. 

E nesse trinômio — físico, mental e social — a relevância da saúde mental parece evidente, pois quando não se é capaz de sentir plenamente e de pensar claramente, não se consegue decidir com propriedade acerca de si, dos outros e das circunstâncias que nos inscrevem e circunscrevem. O que, por consequência, nos impede de agir com responsabilidade plena em relação à saúde em geral, mais, em relação à vida. 

Nesse sentido, promover a saúde mental é responsabilidade de cada um e de todos nós. Essa é uma questão de saúde pública, é um valor coletivo e, como tal, implica necessariamente o acolhimento indiscriminado, a informação correta, a promoção constante, a prevenção ampla, o tratamento adequado, a reabilitação segura. O caminho da reclusão, da alienação, da exclusão, da discriminação daqueles considerados doentes mentais é, seguramente, o caminho de uma sociedade injusta, desequilibrada, desonesta e incivilizada. 

 Por fim, cabe, ao menos uma reflexão: nessa nossa atual sociedade em que a drogadição ilícita é largamente consentida e a lícita cada vez mais incentivada, há que se perguntar quem são, de fato, os doentes mentais? Esta reflexão e o desafio que ela impõe já começam a ser bravamente enfrentados pela campanha Janeiro Branco, que merece não só nossa acolhida, mas, sobretudo, nossa irrestrita adesão na medida em que trata das necessidades de saúde mental de todos nós.

(*) Coordenadora do Curso de Psicologia da Faculdade Arthur Sá Earp Neto (FMP/Fase), Petrópolis 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Departamento de Comunicação Faculdade Arthur Sá Earp Neto e Faculdade de Medicina de Petrópolis