quinta-feira, 27 de junho de 2013

FMP/Fase promove curso de Logística para Micro e Pequenas Empresas do Setor Varejista


A Faculdade Arthur Sá Earp Neto (FMP/Fase) dará início, no próximo mês, ao curso de extensão em Logística para Micro e Pequenas Empresas do Setor Varejista. As aulas serão realizadas aos sábados, nos dias 03, 10, 17, 24 e 31 de agosto e 14, 21 e 28 de setembro. A atividade será feita nas instalações do próprio campus da faculdade.

O objetivo do curso é capacitar o aluno nas práticas da Logística para o varejo, abordando a relação com fornecedores e o gerenciamento do negócio e seus funcionários, assim como o planejamento e a supervisão das atividades de recebimento, armazenagem, expedição e aprimoramento de estoque.

Na programação está prevista a apresentação de conhecimentos específicos sobre os seguintes assuntos: logística; tipos de modais, características e finalidades; centros de distribuição; armazenagem no varejo; layout do armazém; embalagens logísticas; endereçamento; gestão de estoques para o varejo; gestão de compras no varejo; e e-commerce.

O curso será coordenado pelo professor Celso da Silva Gomes, que é doutor em Engenharia e mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal Fluminense (UFF), com experiência nas áreas de Matemática, Planejamento e Controle da Produção, entre outras.

Para obter mais informações, deve-se entrar em contato pelos telefones (24) 2244-6471/ (24) 2244-6464 ou comparecer à instituição, localizada na Av. Barão do Rio Branco, 1.003 – Centro.

Serviço:
Local: Faculdade Arthur Sá Earp Neto (FMP/Fase)
Período: 03, 10, 17, 24 e 31 de agosto / 14, 21 e 28 de setembro (sábados)
Horário: 13h30 às 15h30
Investimento: 2 x R$ 120,00



Projeto Social da FMP/Fase é destaque em arrecadação no país


Primeira colocada em arrecadação de anéis de lata em todo o estado do Rio de Janeiro e detentora da segunda posição no cenário nacional, a Faculdade de Medicina de Petrópolis (FMP/Fase) realizou, na tarde de ontem (25), a doação de mais quatro cadeiras de rodas aos pacientes atendidos por suas unidades de saúde.

Até o momento, a campanha “Anel de Solidariedade” já recolheu 1 tonelada de anéis de lata, o equivalente a 13 cadeiras de rodas, que estão sendo entregues a integrantes das comunidades petropolitanas. Com o crescente envolvimento da população, o projeto traçou um novo objetivo: arrecadar quatro toneladas de anéis.

“No início, as pessoas não acreditavam que daria certo a campanha, mas estamos provando o contrário. Agradecemos todo o apoio do Centro Cultural da faculdade para o sucesso da iniciativa. É bom ver o resultado positivo da campanha”, revelou a estudante do 5º ano de Medicina e uma das idealizadoras do projeto, Vanessa Pita.

As cadeiras foram doadas ao Departamento de Doenças Infectoparasitárias (DIP), e Postos de Saúde da Família nos bairros Boa Vista, Machado Fagundes e Estrada da Saudade. Para conseguir as quatro unidades, os alunos tiveram que arrecadar 320 kg de anéis de alumínio, divididos em 480 garrafas PET.

Por conta da dificuldade que os pacientes enfrentam para locomoção, todas as cadeiras foram entregues aos familiares ou membros ligados à família, como o caso do morador do bairro Estrada da Saudade, Abel Rocha, que recebeu uma das cadeiras representando a sogra, Mercedes de Souza, de 78 anos, que sofre de diabetes.

“Fico feliz em receber a cadeira de rodas, pois sei dos problemas enfrentados pela minha sogra no dia a dia. Além da idade, a falta desse instrumento torna a vida extremamente limitada. Agora, ela poderá deixar as muletas e fazer um passeio tranquilo”, comemorou. Outro paciente beneficiado é Ademar Antônio, representado por sua mãe Josephina Rita Xavier Antônio, do Boa Vista. Ela conta que o filho, de 44 anos, sofre de paralisia cerebral. “Ele nasceu assim. A gente até tem uma cadeira muito antiga, que quebrou várias vezes e não fecha mais, por isso não dava pra levar ele pra passear, tomar sol, mas agora vai dar”, disse.

O presidente da Associação Pró-Deficiente, Marcelo Silveira, também esteve presente no evento e destacou a importância da iniciativa. “Muitas pessoas estão aderindo à campanha, o que nos faz alcançar nossos objetivos. É um sentimento gratificante ver um grupo de jovens que pensam no futuro, se preparando para serem bons profissionais e com responsabilidade social. Uma cadeira tem um alto custo e quanto mais rápido for o recolhimento de anéis, mais rápido uma cadeira será disponibilizada para quem precisa”, concluiu.

A campanha

Apresentada por uma das alunas, a iniciativa recebeu o apoio da instituição e conquistou mais adeptos.  Atualmente, o grupo é formado por estudantes de Medicina.

A campanha acontece com a parceria da empresa FRATO Ferramentas, que transforma anéis de alumínio em cadeiras. Desta forma, cada 120 garrafas PET cheias de anéis (aproximadamente 80 kg de alumínio) equivalem a uma cadeira de rodas.

Quem estiver interessado em contribuir com a causa pode entrar em contato através do e-mail anelsolidario@yahoo.com.br ou entregar o material no Centro Cultural da FMP/Fase (Av. Barão do Rio Branco, 1003 – Centro).





sexta-feira, 21 de junho de 2013

Solidariedade reciclada em Petrópolis



Há um ano, quatro alunas da Faculdade de Medicina de Petrópolis/Fase criaram a campanha “Anel de Solidariedade”. O objetivo era arrecadar anéis de lata para serem reciclados na fabricação de cadeiras de rodas, repassadas a famílias carentes da cidade. No próximo dia 25 de junho, a ação chega à marca de uma tonelada coletada, e quatro cadeiras serão entregues no campus da faculdade, às 13h, totalizando 13 enviadas pelo fabricante. Dados da empresa mostram que a FMP/Fase é a número um no Estado do Rio em arrecadação de anéis. 

 Na fabricação de uma cadeira de rodas são necessários 80 quilos de alumínio, ou aproximadamente 120 garrafas PET de dois litros cheias de anéis. As cadeiras vão para as quatro unidades dos Postos de Saúde da Família de Petrópolis, geridas pela FMP/Fase. Elas ficam temporariamente com uma das famílias da comunidade, retornando aos postos quando não são mais necessárias.

 A aluna Patrícia Ferreira, uma das idealizadoras da campanha, comemora o sucesso do projeto. “Esperávamos conseguir uma cadeira em um ano e conseguimos 13. Crescemos como cidadãos, estudantes de Medicina e futuros médicos”, afirma. 

Além de Petrópolis, a campanha de recolhimento dos anéis sensibiliza outras cidades. “Outro dia um morador de Minas Gerais veio à faculdade fazer uma doação grande de anéis de alumínio. A parceria com a empresa Frato Ferramentas, que produz as cadeiras, ajuda também na reciclagem”, completa o coordenador de Projetos e Extensão da FMP/Fase, Ricardo Tammela.

Os interessados em contribuir com a causa podem entrar em contato através do e-mail anelsolidario@yahoo.com.br ou entregar o material no Centro Cultural da FMP/Fase (Av. Barão do Rio Branco, 1003 – Centro).

Serviço:
Data: 25 de junho, às 13h
Local: Hall campus FMP/Fase - Av. Barão do Rio Branco, 1003 - Centro, Petrópolis/RJ

Projeto de leitura da FMP/Fase recebe doações do Museu Imperial


O Museu Imperial, unidade do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), através de seu diretor, Maurício Vicente Ferreira Júnior, doou 280 livros e CDs para o projeto Livro Solto da FMP/Fase, que visa incentivar a leitura com a difusão da literatura sem a necessidade de cadastro, somente com o compromisso de repassar o livro adiante.

As doações consistem em CDs com a fotobiografia da Princesa Isabel – proveniente dos arquivos do Museu Imperial e do Grão Pará –, duas edições de livros de contos premiados, o Anuário do Museu Imperial, e livros sobre a biografia do palácio e sobre os chefes do executivo fluminense. Tudo isso agora à disposição no Centro Cultural FASE – FMP. 

Confira a lista completa:
CD-Rom Princesa Isabel – 50 exemplares
Chefes do Executivo Fluminense – 50 exemplares
Anuário do Museu Imperial – 50 exemplares
Livro de Contos I – 45 exemplares
Livro de Contos II – 60 exemplares
Livro Biografia de um Palácio – 25 exemplares


Saúde do Idoso em foco na FMP/Fase


Projeto da faculdade estuda o impacto das atividades em grupo na terceira idade
 
No mês em que se discute a conscientização da violência contra a pessoa idosa, a Faculdade Arthur Sá Earp Neto (FMP/Fase) realizou oficinas voltadas para esse público, concluídas nessa quinta-feira (20). Na ocasião, um grupo de 40 pacientes a partir dos 60 anos de idade, atendidos pelos Postos de Saúde da Família da faculdade e da Secretaria de Saúde de Petrópolis, participaram de atividades de integração e coordenação motora.

O objetivo do projeto-piloto é fortalecer os grupos de idosos periodicamente, a intervalos de dois a três meses, no formato de intercâmbio, onde os participantes de determinados bairros visitarão outras comunidades. Dessa forma, além de promover o bem-estar do público, o projeto estará contribuindo para a socialização desses indivíduos. 

“O Brasil está envelhecendo rápido. Na proporção de atendimentos nos Postos de Saúde da Família, cerca de 70% correspondem à terceira idade. Quando nossos alunos se formarem, essa realidade será ainda maior, porque as pessoas estão vivendo mais e tendo menos filhos. Precisamos estudar os idosos, pois eles têm sua especificidade”, explica a professora responsável pelo projeto, a especialista em Gerontologia Claudia Respeita. 

As atividades aplicadas nas oficinas envolviam dança sênior (própria para a terceira idade), memorização e mini-palestras sobre sexualidade, direito do idoso e sociabilidade, aplicadas por 14 alunos da disciplina opcional de Enfermagem em Saúde da Pessoa Idosa, implantada recentemente ao curso da FMP/Fase. “Os idosos têm muitas patologias específicas e a velhice é um processo saudável, por isso a gente tem que saber lidar com essas diferenças”, analisa Bianca da Silva Nunes, aluna do 4º período.  

Clezio Dias Pereira, de 73 anos, esbanjava saúde em meio aos integrantes do grupo. “Eu sempre pratiquei exercícios. Na mocidade, eu gostava de levantar peso pra fortalecer os músculos e hoje também procuro me alimentar bem”, comenta o aposentado. Hábitos saudáveis também foram apresentados por Cecília Raimundo Maximiano, de 61 anos. “Eu trabalhava de costureira e não tinha tempo pra fazer exercício, porque também achava que já fazia muita coisa cuidando do meu neto, mas o que vale é o que eu faço agora. Faço ginástica no posto do bairro Castelo São Manoel e caminhada, mas essas oficinas são muito diferentes do que eu estou acostumada a fazer. Quando tiver de novo eu venho outra vez”, anunciou.

A aluna de Enfermagem, freira Keyla Oliveira dos Santos, aplicou a dança sênior, que só pode ser ministrada por pessoas capacitadas. “Existem poucas pessoas aptas a lidar com a terceira idade. O idoso tem que viver de lazer e não de medicação e a dança é um meio de tirá-los de dentro de casa. Dessa forma, tiramos o idoso da penumbra e o colocamos em um espaço feliz”, afirma a estudante.

Com base nas atividades aplicadas ao grupo, alunos e professores da FMP/Fase farão uma análise do impacto que os dois encontros causaram nos idosos, através de entrevistas, observação, entre outros métodos. “A gente trabalha também os profissionais e os alunos envolvidos pra que eles aprendam a lidar com o idoso, estudem e pesquisem a respeito, e apliquem os conhecimentos adquiridos. Essa é a função da universidade. Formar e capacitar”, conclui Claudia Respeita.