quarta-feira, 29 de maio de 2019

Vacinação: o melhor caminho para se proteger

A informação de que a Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica, da Secretaria de Saúde de Petrópolis, este ano, detectou redução no número de crianças imunizadas com a vacina tríplice viral (que previne sarampo, caxumba e rubéola) é preocupante e levanta a necessidade de uma campanha de conscientização em relação ao tema. 

É necessário salientar que a importância de crianças e adultos receberem as doses da tríplice viral é imensa. Basta conferir o histórico de casos no país para identificar que a caxumba, o sarampo e a rubéola são patologias que já foram extremamente frequentes. 

Quando comecei a clinicar, atendendo os pacientes no DIP (Departamento de Doenças Infecto Parasitárias), estávamos vivenciando uma fase muito agressiva dessas patologias. Inúmeras crianças chegavam para serem atendidas já em um estágio altamente comprometido. 

Somente em relação ao sarampo, que é uma patologia grave, que pode levar a óbito, é preciso afirmar que não é uma doença de pele como muitas pessoas acreditam. É uma doença sistêmica que pode levar a uma encefalite (infecção e inflamação no encéfalo), a um processo pneumônico grave provocado pelo vírus do sarampo e também provocar problemas sistêmicos extremamente preocupantes. 

Dentre os sintomas das doenças citadas, a caxumba também provoca a encefalite e a orquite, que é uma inflamação nos testículos. Há uma agressão primária a nível de parótida (glândula salivar), mas o problema maior, inegavelmente, é essa agressão testicular que pode causar a esterilidade e acontece em dois por cento dos casos. Já a rubéola pós-natal, ou seja, não congênita (após o nascimento), provoca gânglios (ínguas) que podem estar disseminados ou não. Também causa a cardite, que é uma infecção e inflamação no coração, além de encefalite e, em alguns casos, a artrite. 

O grande problema da rubéola é a congênita. Claro que nós estamos falando da vacinação em crianças, mas não posso perder a oportunidade de dizer que os adultos que não foram vacinados precisam receber a vacina, pois as mulheres adultas que não receberam a vacinação podem gerar problemas sérios nos fetos, doenças congênitas como microcefalia, catarata, retardo mental e meningite. 

A orientação que passo para os pais e para todos os meus alunos é que estimulem e levem as crianças nas campanhas de vacinação, mesmo que a criança esteja totalmente vacinada, pois pode ser que ela precise de um reforço. Às vezes, a pessoa pensa que a criança está vacinada contra tudo, mas levando na campanha, os profissionais vão rever o calendário de vacinação para certificar de que está tudo realmente completo. É muito importante que exista uma participação objetiva dos pais nas campanhas de vacinação. 

Deixo claro que não tenho clínica de vacinação. Como médico pediatra e infectologista que sou, preciso alertar a população sobre a importância da vacinação ser feita em sua totalidade, para evitar patologias extremamente graves como as citadas e outras mais, para que não prejudiquem a vida, o bem-estar e a segurança das crianças e também dos adultos. Devemos aproveitar, porque são vacinas dadas gratuitamente e que devem ser utilizadas na prevenção de patologias extremamente graves. 

Sem dúvidas, a vacinação é o melhor caminho para evitar essas patologias citadas. As vacinas foram lançadas após muitas pesquisas e estão evitando muitos casos de óbitos não apenas no Brasil, mas em vários países do mundo. As contraindicações são mínimas.


Paulo Cesar Guimarães 
Pediatra e Infectologista, diretor da Faculdade de Medicina de Petrópolis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Departamento de Comunicação Faculdade Arthur Sá Earp Neto e Faculdade de Medicina de Petrópolis